Costa do Marfim: Líderes religiosos lutam contra a Covid-19

0
  •  
  •  

For religious leaders story – Foto de WHO

Com infomações da OMS

‘Você só pode rezar se estiver vivo’, diz Abdallah Cissé Djiguiba, um dos grandes imãs da Costa do Marfim. Assim como o país, vários outros proibiram concentrações e encerraram cidades e vilas para conter a propagação da Covid-19. A Costa do Marfim registrou mais de 1.300 casos da doença e 15 mortes.

Com os locais de culto fechados, as plataformas virtuais não estão apenas a ligar igrejas e mesquitas à sua congregação, mas a proporcionar espaço para transmitir mensagens de saúde e segurança sobre o vírus.

Na Costa do Marfim, as reuniões foram proibidas e os movimentos restringidos em 16 de março. Dois dias depois, o conselho de imãs do país fechou mesquitas, um movimento que, segundo o imã Cissé, de 62 anos, não foi isento de dor. As orações das sextas-feiras e os grandes eventos religiosos reuniam cerca de 6 mil congregados na Mesquita de Salam, na capital da Costa do Marfim, Abidjan, onde ele dirige os sermões.

“Compreendemos que temos de preservar vidas. Rezar em casa também tem o seu significado e importância. A decisão de fechar as mesquitas foi uma enorme surpresa para muitos fiéis”, diz o imã que aparece regularmente nas campanhas de educação em saúde pública do governo.

“Em África é difícil dizer às pessoas para pararem com as saudações de aperto de mão”. É ainda mais difícil nos locais de culto. É a nossa maneira de ser. Mas penso que com o tempo as pessoas podem compreender”.

Preservar vidas

Os governos de toda a África intensificaram as medidas destinadas a travar a propagação da doença. A vigilância e os testes da doença estão sendo intensificados à medida que o vírus se propaga para além das capitais, províncias e regiões. A OMS apelou aos países africanos para que descentralizassem e reforçassem a resposta de emergência subnacional para combater o vírus. Hoje, dia 3 de maio, o número de casos no continente era de 43.909, com 1764 mortes.

Como os muçulmanos estão prestes a começar a observar o mês santo do Ramadão, a OMS emitiu orientações sobre segurança, tais como a prática do distanciamento físico, o uso de saudações cultural e religiosamente sancionadas que evitam o contacto físico, como acenar com a cabeça, acenar com a cabeça ou colocar a mão sobre o coração. As pessoas doentes ou com quaisquer sintomas da COVID-19 ou pessoas idosas com condições médicas preexistentes são instadas a evitar participar em eventos e reuniões.


  •  
  •