Continente africano registra mais de 600 casos de COVID-19

0
  •  
  •  

Continente africano registra 600 casos de COVID-19 – Foto de OMS

Com informações da Organização Mundial da Saúde

Mais de 600 casos de COVID-19 foram confirmados em 34 países africanos até 19 de março. Apenas a África do Sul registrou 202 casos. Embora a região tenha visto um aumento significativo de casos confirmados recentemente, ainda há menos casos do que em outras partes do mundo.

“A rápida evolução da COVID-19 na África é profundamente preocupante e um sinal claro de ação, mas ainda podemos mudar o curso desta pandemia”, disse o Dr. Matshidiso Moeti, diretor Regional da Organização Mundial da Saúde (OMS) para África.

Doze países do continente estão experimentando uma transmissão local. É crucial que os governos evitem que a transmissão local evolua para um cenário pior de transmissão comunitária sustentada e generalizada. Tal cenário representará um grande desafio para os países com sistemas de saúde fracos.

“A África pode aprender com as experiências de outros países que viram um declínio acentuado nos casos da COVID-19 através da rápida ampliação dos testes, isolando os casos e rastreando meticulosamente os contatos”, disse o Dr. Moeti.

Compreender como a pandemia da COVID-19 irá evoluir em África ainda é um trabalho em progresso. A resposta terá de ser adaptada ao contexto africano – a demografia no continente é muito diferente da China, da Europa e dos EUA”.

A África tem a população mais jovem do mundo e parece que os mais velhos são mais vulneráveis à COVID-19. No entanto, a análise preliminar conclui que as pessoas com condições subjacentes estão em maior risco. Em toda a Região, quase 26 milhões de pessoas estão vivendo com HIV. Mais de 58 milhões de crianças têm um crescimento atrofiado devido à desnutrição. Portanto, é possível que as pessoas mais jovens corram mais riscos em África do que em outras partes do mundo.

A OMS tem apoiado os governos na detecção precoce, fornecendo kits de testes COVID-19 aos países africanos, treinando técnicos de laboratório e reforçando a vigilância nas comunidades. Quarenta e cinco países em África podem agora testar para o COVID-19: no início do surto, apenas dois o poderiam fazer.

A OMS também está fornecendo apoio remoto aos países afetados no uso de ferramentas de dados eletrônicos, para que as autoridades nacionais de saúde possam entender melhor o surto em seus países. O equipamento de proteção pessoal foi enviado para 24 países, e um segundo envio está sendo preparado para países com casos confirmados.

“A COVID-19 é um dos maiores desafios de saúde que a África tem enfrentado em uma geração”, disse o Dr. Moeti. “Só podemos deter este vírus através da solidariedade”. E o mundo está se unindo”. Os doadores estão a subir ao prato e a fornecer financiamento, enquanto o setor privado em muitos países também está a oferecer o seu apoio”.

As medidas preventivas básicas por indivíduos e comunidades continuam sendo a ferramenta mais poderosa para prevenir a propagação da COVID-19. Por este motivo, a OMS está ajudando as autoridades locais a elaborar mensagens de rádio e spots televisivos para informar o público sobre os riscos da COVID-19 e que medidas devem ser tomadas. A OMS também está conduzindo a gestão de rumores em todos os países afetados e está orientando os países na criação de centros de atendimento telefônico e linhas diretas para garantir que o público seja informado.


  •  
  •