Chade: Comunidades recebem mensagens de segurança sobre a Covid-19

0
  •  
  •  

Reaching communities in Chad with COVID-19 safety messages – oms

Com informações da OMS

Ali Ngarba diz que a sua maior preocupação com a Covid-19 é o fato de ainda não existir uma vacina. Ele partilha um complexo com três outras famílias em Goudji, bairro da capital chadiana, N’Djamena, e tenta manter-se em segurança: montou um balde de lavagem das mãos à porta e só deixa a casa quando necessário.

A vida comunitária é uma fonte de medo entre os residentes. Quando a pandemia chegou ao Chade, as autoridades sanitárias lançaram um conjunto de medidas de resposta, incluindo visitas porta-a-porta de educadores de saúde da comunidade para transmitir mensagens sobre segurança.

Embora as reuniões presenciais sejam demoradas, as sessões são mais pessoais, frequentemente realizadas por alguém da mesma comunidade que fala a mesma língua e tem a compreensão cultural adequada. Ao contrário das mensagens transmitidas, as pessoas podem fazer perguntas e procurar esclarecimentos em campanhas porta-a-porta.

Embora cerca de 700 educadores de saúde comunitários tenham recebido formação nas sete províncias do país, uma grande lacuna das campanhas porta-a-porta tem o seu alcance limitado. Um centro de chamadas, mensagens difundidas através de 17 estações de rádio em várias cidades e milhares de cartazes complementam a campanha de educação sanitária de casa em casa que já dura três meses.

‘A abordagem comunitária é também uma forma eficaz de combater os rumores e a desinformação. Os chefes de aldeia, os chefes de bairro e os profissionais de saúde têm-se voluntariado para fazer parte das campanhas porta-a-porta do Chade’, diz Djazouli Ibn Adam, que dirige a divisão de promoção da saúde do Ministério da Saúde. Desde que foi lançada a campanha de casa em casa, mais de 103 000 pessoas foram educadas em todo o país.

Explicar a origem da Covid-19, os seus sintomas, a forma como se espalha e as formas de se manter em segurança são algumas das principais características da informação transmitida durante as visitas de casa em casa. Mas uma medida preventiva – o distanciamento físico – é a que levanta mais questões.

“É quase impossível não partilhar uma refeição familiar ou viver em comunidade. Algumas pessoas disseram-me que preferiam morrer a ficar longe da família. Mas eu faço o meu melhor para explicar que não se deve pôr a família deles em perigo”, diz Adam Hassane, um líder de bairro e um educador de saúde comunitário experiente.


  •  
  •