Agricultura: Cultivo de espécies negligenciadas pode aumentar oferta de nutrientes

0
  •  
  •  

29 February 2016, Niamey, Niger - A woman cleaning Ovalifolia Moringa seeds at Centre National de Semences Forestières (CNSF).FAO project GCP/INT/157/EC: Action Against Deserti­fication is an initiative of the African, Caribbean and Pacifi­c Group of States (ACP) to promote sustainable land management and restore drylands and degraded lands in Africa, the Caribbean and the Pacifi­c, implemented by FAO and partners with funding from the European Union in the framework of the 10th European Development Fund (EDF).
29 February 2016, Niamey, Niger – A woman cleaning Ovalifolia Moringa seeds at Centre National de Semences Forestières (CNSF). FAO

Com informações da FAO

As culturas que foram esquecidas ao longo do século passado estão sendo redescobertas. Também conhecidas como culturas “negligenciadas e subutilizadas”, “pequenas” ou “promissoras”, as culturas órfãs têm sido negligenciadas pelos serviços de pesquisa, extensão e formuladores de políticas. Das 30 mil espécies de plantas comestíveis, apenas 30 são usadas para alimentar o mundo.

Essas culturas podem ajudar a aumentar a diversificação da produção de alimentos, adicionando novas espécies às dietas, resultando em melhor oferta de nutrientes específicos, ou seja, aminoácidos essenciais, fibras, proteínas.

O Consórcio Africano de Colheitas de Órfãos (AOCC) está treinando cientistas de plantas africanas para tornar as culturas e suas variedades mais nutritivas e melhorar seus rendimentos e capacidade de suportar os efeitos das mudanças climáticas.

“Esta colaboração visa melhorar a segurança alimentar da África com cientistas africanos usando algumas das melhores ferramentas e equipamentos disponíveis em qualquer lugar do mundo para disponibilizar alimentos seguros, nutritivos e acessíveis em uma base sustentável”, disse o diretor-geral da ICRAF, Tony Simons.

Esta iniciativa aumentará a conscientização sobre o papel potencial das culturas negligenciadas e subutilizadas em sistemas de produção de culturas mais produtivos e sustentáveis ​​que sejam resilientes aos efeitos das mudanças climáticas.

Leia o artigo original aqui 


  •  
  •