Laboratórios trabalham no sequenciamento genético da Covid-19 na África

0
  •  
  •  

Laboratório – OMS África

Com informações da OMS

Com vários países africanos a expandir os testes COVID-19, a Organização Mundial de Saúde (OMS) e os Centros Africanos de Controle e Prevenção de Doenças lançaram uma rede de laboratórios para reforçar o sequenciamento genético do coronavírus.

Doze laboratórios africanos de referência na rede fornecerão serviços de análise de dados e outros serviços de apoio técnico aos países onde estão localizados, bem como aos países vizinhos e aos países nas suas sub-regiões.

“Ao enfrentar a pandemia da COVID-19 em África, precisamos ser capazes não só de acompanhar a sua evolução, mas também de avaliar a possível mutação do vírus. Através desta nova rede laboratorial dedicada à sequência do genoma podemos desenvolver melhor vacinas e tratamentos adaptados aos africanos e, eventualmente, colocar a COVID-19 sob controlo”, disse o Dr. Matshidiso Moeti, Director Regional da OMS para África.

A sequência em curso já está a fornecer informação crucial para determinar o tipo de linhagem SRA-CoV-2 que circula em alguns países. Ela demonstrou que a maioria dos genomas da SRA-CoV-2 que circulam em África são atribuídos à linhagem B.1 que emergiu da epidemia na Europa.

Em África foram identificadas dez linhagens e foram produzidas mais de 80.000 sequências a nível mundial. O agrupamento de vírus de diferentes países na mesma linhagem ou sub linhagem indicou uma ligação ou importação de vírus entre países.

“Em 2019, o CDC de África lançou o Instituto de Genômica Patogénica para apoiar a integração da genômica patogénica e bioinformática na vigilância da saúde pública, detecção de surtos e investigações, e melhorar o controlo e prevenção de doenças em África. A criação da rede de sequenciamento COVID-19 ajudará a melhorar a vigilância no continente e ajudará os países a gerir e controlar eficazmente a pandemia”, disse o Dr. John Nkengasong, Director do CDC de África.

O CDC de África e a OMS, juntamente com outros parceiros, estão a fornecer aos Estados Membros equipamento de sequenciamento, reagentes e apoio técnico. Um total de sequências 2016 de 18 países – Argélia, República do Benin, Camarões, RDC, Egito, Gâmbia, Gana, Quénia, Madagáscar, Mali, Marrocos, Nigéria, Senegal, Serra Leoa, África do Sul, Tunísia, Uganda, e Zâmbia – já foram geradas.


  •  
  •