África do Sul fará bloqueio nacional por 21 dias para conter a Covid-19

0
  •  
  •  

COVID-19 em África – Foto de OMS

Com informações do governo da África do Sul

A partir da meia-noite de quinta-feira, 26 de março de 2020, será imposto um encerramento nacional na África do Sul para combater a propagação do Covid-19. O presidente Cyril Ramaphosa disse, nesta segunda-feira (23), que todos os residentes terão de ficar em casa por pelo menos 21 dias para evitar a propagação catastrófica da Covid-19 na África do Sul. No país, o número de casos confirmados aumentou seis vezes em apenas oito dias, de 61 casos para 402 casos. Este número vai continuar a aumentar.

“Os indivíduos não poderão sair de suas casas, exceto sob circunstâncias estritamente controladas, como procurar cuidados médicos, comprar alimentos, remédios e outros suprimentos ou receber uma bolsa social”, anunciou Ramaphosa.

Os trabalhadores dos setores público e privado de saúde e médico, serviços de emergência e segurança, indústrias de produção e fornecimento de alimentos, setor bancário essencial e indústrias de água, telecomunicações e eletricidade estarão isentos.

Leia o comunicado do presidente abaixo:

“Meus companheiros sul-africanos, faz uma semana que declaramos a pandemia do coronavírus como um desastre nacional e anunciamos um pacote de medidas extraordinárias para combater esta grave emergência de saúde pública. A resposta do povo sul-africano a esta crise tem sido notável. Milhões do nosso povo compreenderam a gravidade da situação. A maioria dos sul-africanos aceitou as restrições que foram impostas às suas vidas e assumiu a responsabilidade de mudar o seu comportamento.

Estou animado por todos os setores da sociedade terem sido mobilizados e terem aceitado o papel que precisam desempenhar. Dos líderes religiosos às associações desportivas, dos partidos políticos aos empresários, dos sindicatos aos líderes tradicionais, das ONGs aos funcionários públicos, todos os setores da nossa sociedade se têm manifestado para enfrentar este desafio.

Muitos tiveram que fazer escolhas e sacrifícios difíceis absolutamente necessários para que o nosso país saia mais forte deste desastre.  Durante a última semana, os sul-africanos demonstraram a sua determinação, o seu sentido de propósito, o seu sentido de comunidade e o seu sentido de responsabilidade. Por isso, nós vos saudamos e vos agradecemos.

Em nome da nação, gostaria também de agradecer aos trabalhadores da saúde, aos nossos médicos, enfermeiros e paramédicos que estão na linha da frente da pandemia, aos nossos professores, funcionários fronteiriços, polícias e agentes de trânsito e a todas as outras pessoas que têm liderado a nossa resposta.

Desde que o estado de desastre nacional foi declarado, temos posto em prática uma série de regulamentos e diretivas. Estes regulamentos restringiram as viagens internacionais, proibiram concentrações de mais de 100 pessoas, fecharam escolas e outras instituições de ensino e restringiram a venda de álcool depois das 18 horas.

Reiteramos que a forma mais eficaz de prevenir a infecção é através de mudanças básicas no comportamento e higiene individual. Por isso, apelamos mais uma vez a todos para que o façam:

– lavar as mãos frequentemente com desinfectantes de mãos ou água e sabão durante pelo menos 20 segundos;
– cobrir o nariz e a boca ao tossir e espirrar com tecido ou cotovelo flexionado;
– evitar o contacto próximo com qualquer pessoa com sintomas de constipação ou gripe.

Todos devem fazer tudo o que estiver ao seu alcance para evitar o contato com outras pessoas. Ficar em casa, evitar lugares públicos e cancelar todas as atividades sociais é a melhor defesa preferida contra o vírus.

Ao longo da última semana, à medida que temos vindo a implementar estas medidas, a crise global tem vindo a aprofundar-se. Quando me dirigi à nação no domingo passado, houve mais de 160.000 casos confirmados de COVID-19 em todo o mundo.

Hoje, há mais de 340.000 casos confirmados em todo o mundo. Na África do Sul, o número de casos confirmados aumentou seis vezes em apenas oito dias, de 61 casos para 402 casos. Este número vai continuar a aumentar.

O desenvolvimento da doença noutros países e a nossa própria modelização mostram claramente que é necessária uma ação imediata, rápida e extraordinária se quisermos evitar uma catástrofe humana de enormes proporções no nosso país.

A nossa tarefa fundamental neste momento é conter a propagação da doença. Preocupa-me que um rápido aumento das infecções vá esticar os nossos serviços de saúde para além do que podemos gerir e muitas pessoas não o farão. Devemos, portanto, fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para reduzir o número total de infecções e retardar a propagação da infecção por um período mais longo – o que é conhecido como aplanar a curva das infecções.

É essencial que todas as pessoas neste país adiram estritamente – e sem exceção – às normas que já foram postas em prática e às medidas que vou anunciar esta noite.
A nossa análise do progresso da epidemia nos informa que precisamos urgente e dramaticamente intensificar a nossa resposta.  Os próximos dias são cruciais.

Sem uma ação decisiva, o número de pessoas infectadas aumentará rapidamente de algumas centenas para dezenas de milhares, e dentro de algumas semanas para centenas de milhares.

Isto é extremamente perigoso para uma população como a nossa, com um grande número de pessoas com imunidade reprimida por causa do HIV e da TB, e altos níveis de pobreza e desnutrição.

Temos aprendido muito com as experiências de outros países. Os países que agiram rápida e dramaticamente foram muito mais eficazes no controle da disseminação da doença. Como consequência, o Conselho Nacional de Comando do Coronavírus decidiu impor um bloqueio nacional durante 21 dias, com efeito a partir da meia-noite de quinta-feira, 26 de Março. Esta é uma medida decisiva para salvar milhões de sul-africanos da infecção e salvar a vida de centenas de milhares de pessoas.

Embora esta medida tenha um impacto considerável na subsistência das pessoas, na vida da nossa sociedade e na nossa economia, o custo humano de atrasar esta ação seria muito, muito maior. O bloqueio nacional será decretado em termos da Lei de Gestão de Desastres e implicará o seguinte:

– Da meia-noite de quinta-feira, 26 de Março, até à meia-noite de quinta-feira, 16 de Abril, todos os sul-africanos terão de ficar em casa.
– As categorias de pessoas que serão isentas deste encerramento são as seguintes: trabalhadores da saúde nos setores público e privado, pessoal de emergência, aqueles dos serviços de segurança – como a polícia, agentes de trânsito, pessoal médico militar, soldados – e outras pessoas necessárias para a nossa resposta à pandemia.
Incluirá também os envolvidos na produção, distribuição e fornecimento de alimentos e bens básicos, serviços bancários essenciais, manutenção de energia, água, etc.

Leia o documento inteiro em inglês aqui


  •  
  •